Sexta semana de gravidez – Sintomas e cuidados

Ser mãe… para a maioria das mulheres, nada se compara à tamanha emoção, e a cada semana que passa, o corpo envia novos sinais dessa fase tão gostosa e cheia de descobertas.

Ao chegar a sexta semana de gravidez (aproximadamente um mês e meio), algumas mulheres podem nem mesmo desconfiar que estejam grávidas.

Sexta semana de gravidez

Aquelas que têm ciclo irregular e costumam ficar meses sem menstruar talvez não se deem conta das pequenas alterações que acontecem no organismo durante as primeiras semanas de gestação.

Um dos sintomas mais comuns nesse período é o aumento da frequência urinária. Isso ocorre porque o fluxo sanguíneo aumenta durante a gravidez, e conforme os rins filtram o sangue “mais vezes”, também produzem mais urina e também devido ao crescimento do útero, que deixa menos espaço no abdome para a bexiga expandir-se.

Ainda não é possível perceber a famosa “barriguinha” que só aparece por volta dos três ou quatro meses, mas se a sua menstruação está atrasada e você sente vontade de urinar a todo momento, procure um médico e faça já o teste.

O diagnóstico precoce da gravidez é muito importante para que medidas possam ser tomadas, a fim de garantir a sua saúde e a do seu bebê.

Algumas mulheres relatam tensão nas mamas, cólica, cansaço, muito sono e algum enjoo pela manhã, mas estes sintomas ainda são muito sutis e podem passar despercebidos.

Na sexta semana de gravidez, provavelmente o médico já prescreverá o ácido fólico, que pode ser combinado com ferro, e orientará o consumo de alimentos ricos nessas vitaminas para evitar a anemia e diminuir a sensação de cansaço.

É nesse período que o sistema nervoso central do feto fecha as aberturas que até então existiam sobre o cérebro e na base da coluna.

Em alguns casos, não é possível ver claramente o embrião através da ultrassonografia, mas se as cólicas forem muito fortes ou contínuas, é necessário consultar imediatamente o médico para descartar a hipótese de gravidez ectópica.

Apesar de muito pequeno, o desenvolvimento do embrião ocorre de forma acelerada, e o ritmo cardíaco muito rápido é captado através do exame de ultrassom.

A circulação sanguínea ainda é básica: uma espécie de tubo que forma o coração envia sangue para o comprimento do corpo.

Os pulmões costumam demorar praticamente a gravidez toda para desenvolver-se por completo, mas é nesse período que começam a surgir um pequeno rebento, localizado entre o esôfago e a boca do feto.

Esse pequeno rebento representa a evolução da traqueia, que se subdivide em duas ramificações onde serão formados os pulmões direito e esquerdo.

O tamanho do embrião na sexta semana de gestação fica em torno de 4mm, mas apesar de tão pequeno, já apresenta todas essas evoluções que irão se aprimorar nos meses seguintes.

Para algumas mulheres, esse é o início da gravidez, o ponto em que começam a desconfiar de que algo diferente está acontecendo com o seu corpo e procuram um médico para o diagnóstico.

A partir daí, um novo universo se abrirá: a maternidade e suas descobertas.